O que cai no Enem? Descubra de uma vez por todas!

o que cai no enem

Somente em 2019, foram mais de 5 milhões de inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio. Não é à toa que o Enem se consolidou como uma das principais portas de entrada para o ensino superior, já que é aceito por muitas faculdades em substituição ao vestibular.

Além disso, a prova também facilita o acesso ao ensino superior privado por estudantes que não têm como arcar com os custos de uma graduação. Programas como o Prouni e o FIES, além das próprias bolsas institucionais das melhores faculdades, usam a nota no Exame como critério de seleção de candidatos.

Por tantos motivos, é fundamental se preparar para a prova, começando por descobrir o que cai no Enem. Continue a leitura e confira as principais informações sobre as provas, além de uma listagem das matérias do Exame!

Entenda a importância de saber o que cai no Enem

Programas de seleção em faculdades, distribuição de bolsas de estudo e vagas de financiamento estudantil utilizam o desempenho no Enem como critério de classificação. É aí que mora a importância de saber o que cai no Enem, se preparar para as provas e garantir um bom resultado.

Até porque essa é uma prova diferente dos vestibulares tradicionais. Com uma única participação, você pode se inscrever em vários programas de incentivo ao acesso e à permanência de estudantes no ensino superior.

Além disso, a própria abordagem do Enem é diferenciada. A prova é conhecida por exigir mais do que a “decoreba” de fórmulas e conceitos. Para se dar bem no Exame, o aluno precisa mobilizar os conhecimentos previstos para buscar soluções baseadas em situações reais.

Ainda, é preciso mostrar domínio sobre temas relevantes na atualidade, integrando os tópicos tradicionais do ensino médio com os impactos na sociedade em que vivemos. Tudo isso vale a pena! Abaixo, veja algumas das principais oportunidades que você pode ter com uma boa nota!

Programa Universidade para Todos (Prouni)

O Prouni é o programa governamental de distribuição de bolsas de estudo. Com ele, os estudantes de baixa renda e que cursaram o ensino regular em escolas públicas — ou como bolsistas integrais em escolas privadas — conseguem fazer a graduação sem pagar nada ou arcando com apenas a metade da mensalidade.

Para participar, o estudante precisa fazer a edição atual do Enem e se inscrever nos processos seletivos do Prouni, que ocorrem no início e no meio do ano. Ainda, é preciso ter renda familiar de até 1,5 salário mínimo por pessoa para as bolsas integrais (100%) ou de até 3 salários mínimos para as parciais (50%).

Fundo de Financiamento Estudantil (FIES)

No Novo FIES, o Governo, por meio de convênios com instituições bancárias, concede linhas de crédito estudantil para o financiamento do curso com condições diferenciadas. O estudante começa a pagar sua graduação apenas após concluí-la. Durante os estudos, só precisa pagar uma parcela simbólica de até R$ 150 a cada 3 meses.

Os juros do financiamento são de 0% para estudantes com renda familiar de até 3 salários mínimos por pessoa, e de 6,5% para rendas de 3 a 5 salários mínimos. Os processos seletivos também ocorrem no início e no meio de cada ano, e são aceitos participantes de qualquer edição do Enem a partir de 2010.

Sistema Unificado de Seleção (Sisu)

O Sisu, por sua vez, é destinado à seleção de estudantes para vagas em faculdades públicas. Os candidatos são classificados de acordo com o desempenho no Enem da edição atual. Devido à grande concorrência por faculdades gratuitas, o aspecto negativo é que as notas de corte do Sisu são bastante altas.

Ingresso direto na faculdade

Além desses três programas governamentais, muitas faculdades aceitam o boletim do Enem como forma de substituição do vestibular, a partir de políticas próprias. Nesse caso, é preciso observar os critérios estabelecidos por cada instituição, como ter feito a prova das 3 últimas edições e ter alcançado uma nota mínima.

Veja como descobrir o que cai no Enem

Para descobrir o que cai no Enem, você deve acessar a Matriz de Referência do Exame e conferir quais são os assuntos cobrados (anexo) — que correspondem ao currículo obrigatório do ensino médio — além de estudar as principais competências esperadas pelo exame em cada área de conhecimento.

Além disso, é importante ficar de olho no edital do Enem, que funciona como um manual para o participante conferir as principais informações sobre cada etapa do Exame. Todos os anos, o Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que é o organizador do Enem, atualiza e divulga o edital por volta do mês de março.

Para 2020, o material ainda não foi publicado. No entanto, a fim de ajudá-lo, resumimos aqui as informações essenciais para o candidato, tudo com base dos editais anteriores. Olha só!

O cronograma do Enem

O cronograma do Enem traz as datas importantes para o participante. Veja como ficou a programação oficial da edição de 2019:

  • 25 de março — publicação do edital;
  • 01 a 10 de abril — período de solicitação para isenção da taxa de inscrição;
  • 17 de abril — resultado das solicitações de isenção da taxa de inscrição;
  • 06 a 17 de maio — período de inscrições e solicitação de atendimento especializado e/ou específico;
  • 20 a 24 de maio — período de solicitação de atendimento por nome social;
  • 23 de maio — prazo final para pagamento da taxa de inscrição;
  • 16 de outubro — divulgação do Cartão de Confirmação de Inscrição, com os locais de prova;
  • 03 de novembro — aplicação das provas de Ciências Humanas e de Linguagens, além da Redação;
  • 13 de novembro — publicação dos gabaritos oficiais;
  • 17 de janeiro — divulgação dos resultados.

Observação: para 2020, as datas de aplicação da prova já foram definidas pelo Inep e divulgadas pela Uol. Elas ocorrerão nos dias 01 e 08 de novembro.

A isenção da taxa de inscrição

Para candidatos que não podem pagar a taxa de inscrição — que, em 2019, foi de R$ 85,00 — é possível solicitar isenção. Para tanto, basta acessar o portal do Inep no período estipulado no cronograma e preencher as informações socioeconômicas. Podem solicitar:

  • estudantes no último ano do ensino médio em escola pública;
  • quem tenha cursado todo o ensino médio em escola pública ou como bolsista integral em escola particular;
  • pessoas com renda familiar per capita de até 1,5 salário mínimo;
  • pessoas inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo (CadÚnico).

O atendimento especializado e específico

O Inep assegura o atendimento com recursos necessários para realização da prova por candidatos que precisam de atendimento especializado ou específico — o que deve ser informado na inscrição.

  • especializado — candidatos com deficiência física ou intelectual, dislexia, discalculia, déficit de atenção ou transtorno do espectro autista;
  • específico — gestantes, lactantes, idosos e estudantes hospitalizados.

Ainda, pessoas que não se identificam com o gênero de nascimento — travestis e transexuais, por exemplo — podem solicitar o atendimento pelo nome social, dentro do prazo do cronograma.

As obrigações do participante

O edital também explica todas as obrigações do candidato para que sua participação ocorra sem problemas, incluindo:

banner de preparação para o enem 2021
  • guardar o número de inscrição e senha do portal;
  • apresentar-se no dia da prova com documento de identificação válido;
  • guardar itens estranhos à prova no envelope porta-objetos etc.

Os critérios de eliminação

Para não perder a chance de ter um bom resultado no Enem por falta de atenção, também é essencial ler os critérios de eliminação da prova. Alguns deles são:

  • comunicar-se verbalmente ou por escrito com os demais participantes da sala durante a realização da prova;
  • recusar-se a ser revistado pelos fiscais;
  • portar armas de qualquer espécie.

As correções das provas

O edital também traz uma explicação detalhada de como são corrigidas as provas de conhecimento geral e a redação, além de uma descrição sobre como é calculada a nota do Enem com base na Teoria de Resposta ao Item (TRI).

Saiba como é a estrutura das provas do Enem

Também é importante se familiarizar com a estrutura das provas do Enem. Para começar, como essa avaliação traz um conteúdo extenso, ela é dividida em 4 áreas do conhecimento mais a redação. Fica assim:

  • Matemática e suas Tecnologias — com Matemática;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias — com Biologia, Física e Química;
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias — com Geografia e História, além de conhecimentos interdisciplinares de Filosofia e Sociologia;
  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias — com Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira (Inglês ou Espanhol, opção escolhida no ato da inscrição), além de conhecimentos interdisciplinares de Comunicação, Artes e Educação Física;
  • Proposta de Redação — um texto dissertativo-argumentativo de 8 a 30 linhas.

Os cadernos de questão têm, cada um, 45 questões de múltipla escolha, compostas de 5 alternativas. Assim, o Enem é composto por um total de 180 questões objetivas e uma proposta de produção textual.

A aplicação da prova

Por serem muitas questões, o Enem é aplicado sempre em dois dias. Desde 2017, ele ocorre em dois domingos consecutivos, geralmente em novembro. Veja como foi a divisão de cada dia no Enem 2019:

  • primeiro domingo — provas de Ciências Humanas e Linguagens e a proposta de redação;
  • segundo domingo — provas de Ciências da Natureza e Matemática.

A abertura dos portões nos locais de aplicação ocorre às 12h, com fechamento às 13h. O início das provas é às 13h30; o término é às 19h no primeiro domingo, e às 18h30 no segundo.

Anote o que estudar para o Enem em cada matéria

Embora todos os conteúdos, idealmente, já tenham sido vistos no decorrer do ensino médio, é importante se preparar com antecedência devido à grande quantidade de matérias do Enem. Para isso, você pode fazer um curso preparatório ou estudar por conta própria.

Sim, é possível estudar sozinho! Basta ter dedicação e organização, começando por fazer um planejamento de estudos que abarque os meses anteriores à aplicação da prova para revisar todos os tópicos do Enem, faça exercícios e realize simulados para se familiarizar com as questões.

A Trilha do Enem é sua grande aliada nessa jornada de estudos. Com ela, você recebe um plano de estudos personalizado, tem acesso a simulados e videoaulas, tudo gratuitamente! E agora, para não perder tempo e começar sua preparação, pegue seu bloco de notas e uma caneta ou abra uma planilha e anote os principais tópicos que caem no Enem!

Ciências da Natureza e Suas Tecnologias

A prova de Ciências da Natureza traz questões de Biologia, Física e Química. Seguem os principais tópicos do Enem para cada matéria.

Biologia

  • Microbiologia — procariontes, eucariontes, vírus e fungos;
  • Citologia — ciclo celular, transporte celular, organelas e embriologia;
  • Bioquímica — vitaminas, carboidratos, proteínas, sais, lipídios e ácidos nucleicos;
  • Ecologia — principais conceitos (população, cadeia alimentar, nicho ecológico etc.), biomas brasileiros, ciclos biogeoquímicos (do carbono, da água e do oxigênio), alelobioses, poluição.
  • Evolução — teorias de Lamarck e de Darwin, neodarwinismo, irradiação e convergência adaptativa, deriva genética;
  • Histologia — tecidos epitelial, muscular, nervoso e conjuntivo;
  • Fisiologia Humanasistema nervoso, digestivo, cardiovascular, reprodutor, endócrino, respiratório, circulatório e excretor;
  • Genética — principais conceitos (cromossomos, genes, alelos, genótipos, fenótipos etc.), estrutura do DNA, hereditariedade, Leis de Mendel, organismos geneticamente modificados;
  • Botânica — principais características de briófitas, pteridófitas e gimnospermas, órgãos vegetais, histologia vegetal;
  • Zoologia — principais características de poríferos, cnidários, platelmintos, nematelmintos, moluscos, anelídeos, artrópodes, equinodermos e cordados;
  • aspectos sociais da Biologia — vacinas, doenças transmissíveis, principais parasitoses (caracterização, prevenção e profilaxia), uso indevido de drogas, obesidade, gravidez na adolescência etc.

Física

  • Mecânica — cinemática (tipos de movimento, velocidade, aceleração, Equação de Torricelli) e gravitação;
  • Dinâmica — Leis de Newton, trabalho, energia, força centrípeta, atrito, colisão elástica e inelástica;
  • Hidrostática — massa, densidade, pressão, Teorema de Stevin, Teorema de Pascal, Teorema de Arquimedes;
  • Termologia — conceitos da calorimetria (condução, convecção e irradiação), calor latente e sensível, capacidade térmica, dilatação térmica;
  • Óptica — corpos luminosos e iluminados, meios ópticos, raios de luz, espelhos;
  • Ondulatória — conceitos de ondas mecânicas e eletromagnéticas, comprimento de onda, frequência e período, velocidade da onda, propriedades de reflexão, refração, difração e interferência;
  • Elétrica — eletrodinâmica (Leis de Ohm e resistores), eletrostática e campo magnético;
  • Astronomia — Sistema Solar, Leis de Kepler, notação científica, ordens de grandeza;

Química

  • materiais e suas propriedades — Tabela Periódica, mudanças de estado, misturas e métodos de separação, principais características e usos de metais, ligas metálicas, ferro, cobre e alumínio;
  • Atomística — modelos atômicos, estruturas dos átomos (próton, elétron e nêutron), radioatividade, fissão e fusão nuclear;
  • Química Molecular — ligações iônica, metálica e covalente, geometria nuclear, forças intermoleculares, polaridade;
  • Química Orgânica — nomenclatura dos compostos orgânicos, reações orgânicas, isomeria, hidrocarbonetos, funções nitrogenadas e oxigenadas;
  • Química Inorgânica — propriedades gerais de sais, ácidos, óxidos e bases;
  • Físico-química — gases, soluções, propriedade coligativas, eletroquímica, termoquímica;
  • cálculo estequiométrico — balanceamento de equações, leis ponderais, grau de pureza, rendimento;
  • Química Ambiental — lixo atômico, energia nuclear, impactos ambientais dos combustíveis fósseis, efeito estufa, biocombustíveis, biomassa.

Ciências Humanas e Suas Tecnologias

A prova de Ciências Humanas traz questões de História e Geografia. Além das questões específicas, há tópicos do Enem sobre conhecimentos de Filosofia e Sociologia. Os principais pontos a revisar estão abaixo.

História

  • Antiguidade — características das civilizações da Mesopotâmia, do Egito Antigo, da Grécia e de Roma;
  • Idade Média — Alta Idade Média (impérios francos e Império Bizantino) e Baixa Idade Média (organização social, Feudalismo, Cruzadas, Crise do Feudalismo);
  • Idade Moderna — Reforma Protestante, Contrarreforma Católica, Renascimento, Iluminismo, Absolutismo, Mercantilismo, grandes navegações, independência dos EUA;
  • Idade Contemporânea — Revolução Francesa, independência das Américas, Era Napoleônica, Revolução Industrial, neocolonialismo;
  • Século 20 — Primeira Guerra Mundial, Revolução Russa, Crise de 1929, Nazifascismo, Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria;
  • Brasil Colônia — Ciclo do Ouro, crise colonial;
  • Brasil Império — Primeiro Reinado, Período Regencial, Segundo Reinado, Escravidão;
  • Brasil República — República das Espadas, República Oligárquica, Era Vargas, Regime Militar, redemocratização.

Geografia

  • Geomorfologia — tectonismo, agentes externos de relevo (erosão e intemperismo), tipos de rochas (magmáticas, sedimentares, metamórficas);
  • Climatologia — Atmosfera e seus conceitos (pressão e umidade, ventos regulares, alísios e monções), tipos de clima;
  • Relevo e Vegetação — montanhas, planaltos, planícies e depressões, principais tipos de vegetação (deserto, estepe, savana, floresta temperada e tropical, tundra etc.);
  • Hidrogeografia — ciclo da água, classificação hídrica, bacias hidrográficas;
  • Geocartografia — representação cartográfica, coordenadas, fusos horários, sistemas de projeção, escalas;
  • Geografia Agrária — sistemas agrícolas, plantation, agricultura de subsistência, agricultura orgânica, agronegócio no Brasil;
  • Geopolítica — blocos econômicos mundiais, fontes de energia, globalização;
  • Demografia — movimentos demográficos, pirâmides demográficas, qualidade de vida, indicadores sociais e econômicos, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Filosofia e Sociologia

  • Filosofia — principais contribuições de pensadores clássicos (pré-socráticos, Sócrates, Platão e Aristóteles), filósofos modernos e contemporâneos (Descartes, Maquiavel e Kant), princípios de Ética e Moral;
  • Sociologia — conceitos de cultura e democracia, principais movimentos sociais (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, causa negra, causa indígena, feminismo, casamento homoafetivo etc.), contribuições dos principais sociólogos (Max Weber, Karl Marx, Durkhein e Auguste Comte, entre outros).

Temas interdisciplinares

A Matriz de Referência também deixa claro o interesse do Enem em avaliar o entendimento do candidato sobre temas interdisciplinares, como:

  • a diversidade cultural material e imaterial da sociedade brasileira;
  • a contribuição do índio e do negro na formação sociocultural brasileira;
  • os direitos civis, humanos, políticos e sociais do cidadão no decorrer da História;
  • as formas de organização da produção, desde o escravismo e o feudalismo até o socialismo e o capitalismo;
  • a origem e a evolução do conceito de sustentabilidade.

Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias

A prova de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias, por sua vez, reúne questões conhecimentos de Língua Portuguesa e Literatura, além de 5 questões de língua estrangeira (Espanhol ou Inglês, a critério do participante) e conhecimentos de Artes, Comunicação e Educação Física.

Língua Portuguesa

Em Português, você pode se deparar com algumas questões gramaticais diretas. No entanto, a maior parte da prova tem a ver com interpretação de texto e com a noção de que as linguagens são integradoras sociais e formadoras de identidade. Veja quais assuntos revisar:

  • tipos de acentos — em especial, a crase — e tonicidade (oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas);
  • regência e concordância verbal e nominal;
  • figuras de linguagem;
  • análise sintática de orações, incluindo elementos como adjunto adnominal, sujeito, predicado etc.;
  • tipologias e gêneros textuais, inclusive os digitais;
  • relações lógico-semânticas;
  • recepção de textos artísticos (músicas, artes visuais, teatro etc.);
  • norma culta, variação e preconceito linguístico.

Além de evitar erros de Português com uma boa revisão gramatical, vale a pena estudar as principais características das escolas literárias, assim como os autores e obras mais relevantes:

  • Trovadorismo;
  • Humanismo;
  • Classicismo;
  • Quinhentismo;
  • Barroco;
  • Arcadismo;
  • Romantismo;
  • Realismo;
  • Naturalismo;
  • Simbolismo;
  • Parnasianismo;
  • Modernismo.

Língua Estrangeira (Inglês ou Espanhol)

A prova de língua estrangeira, seja Inglês ou Espanhol, cobra sobretudo a interpretação de texto. Para isso, você precisa de alguns conhecimentos básicos do idioma, como:

  • pronomes pessoais, demonstrativos e interrogativos;
  • comparativos;
  • voz passiva;
  • conjunções, preposições e artigos;
  • falsos cognatos;
  • principais verbos irregulares;
  • conjugação dos verbos regulares nos principais tempos verbais.

Matemática e Suas Tecnologias

  • Álgebra — conjuntos numéricos, números primos, progressões, logaritmos, matrizes, expoentes, probabilidade, combinatória, plano cartesiano, retas, polinômios;
  • Geometria Analítica — equação de 1º grau, equação de 2º grau, equação da circunferência, Teorema de Pitágoras;
  • Geometria Plana — cálculo de área e comprimento das principais figuras planas, escala, razão e proporção, Teorema de Tales;
  • Geometria Espacial — cubos, paralelepípedo, cilindro, cone e esfera;
  • Trigonometria — conceitos de seno, cosseno e tangente, ângulos notáveis, relações trigonométricas, funções trigonométricas;
  • Matemática Financeira — juros simples e compostos, estatística e porcentagem.

Confira como é a redação do Enem

Na hora de anotar o que estudar para o Enem, não se esqueça da redação! No Exame, é sempre uma dissertação argumentativa, um gênero textual caracterizado pela defesa de um ponto de vista por parte do autor. Para tanto, a proposta traz uma frase-tema, sobre a qual o candidato precisa refletir criticamente e argumentar, expondo sua opinião.

No entanto, a dissertação deve ter um tom de voz impessoal. Isso quer dizer que você não deve utilizar construções como “eu acho que” ou “do meu ponto de vista”, mas, sim, organizar os argumentos de modo a convencer o leitor do seu posicionamento, com base em fatos, citações e dados.

Para ajudar, nesse sentido, o Enem traz uma coletânea de apoio, composta por três pequenos textos relacionados ao tema. Além disso, você deve usar o seu próprio repertório cultural para embasar os argumentos. A estrutura deve ser a seguinte:

  • introdução — no primeiro parágrafo, você deve contextualizar o tema e já apresentar o ponto de vista (contra ou a favor) que será defendido, o qual é chamado de “tese”;
  • desenvolvimento — no parágrafos seguintes, você deve construir a argumentação em favor da sua tese, com dados, citações e fatos que a sustentem;
  • conclusão — no último parágrafo, vem a conclusão, que deve fechar as ideias desenvolvidas, retomar o tema e consolidar a tese. Além disso, o Enem deseja que os candidatos apresentem, aqui, uma proposta prática de intervenção (soluções) para a problemática abordada.

A fim de que você tenha uma ideia de como se preparar, as propostas de redação do Enem costumam trazer temas atuais e relevantes para a sociedade brasileira. Olha só como foram as frases-tema nas cinco últimas edições do Enem:

  • 2019 — Democratização do acesso ao cinema no Brasil;
  • 2018 — Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet;
  • 2017 — Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil;
  • 2016 — Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil;
  • 2015 — A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira.

Agora que você sabe o que cai no Enem, não perca tempo, hein? Apesar de parecer que a prova está longe, a preparação para ter um bom resultado implica meses de dedicação. Com uma rotina consistente de estudos, dá tempo de revisar os principais tópicos, realizar simulados e treinar a sua redação até a véspera do Enem.

Agora, para ter mais foco nos estudos, nada melhor do que ter um objetivo bem definido. Por isso, leia também nosso texto sobre como escolher um curso de graduação!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.7 / 5. Número de votos: 14

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

prouni, crédito estudantil, fies ou bolsa privada

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Artigos relacionados

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.