Aprenda como evitar preconceito linguístico na redação!

preconceito linguístico na redação

Quem estuda para o Enem sabe muito bem que a redação pode nos pegar de surpresa. Os temas nem sempre são tão óbvios e nos induzem a refletir sobre questões as quais nunca havíamos imaginado. Além disso, os itens de correção são exigentes. Um deles analisa nossa forma de argumentação e o nível de desrespeito aos direitos humanos.

Tendo isso em mente, é importante refletir sobre todas as possíveis formas de discriminação. Por exemplo, você sabe dizer o que é o preconceito linguístico na redação? 

Ele se refere ao julgamento que fazemos de uma pessoa pela sua forma de falar ou de escrever. Pode ser direcionado a sotaques, a regionalismos e a gírias. Agir assim é uma forma de rejeitar o outro.

Acompanhe o artigo, saiba como evitar preconceito linguístico e descubra a forma como ele pode ser cobrado na prova!  

O que é preconceito linguístico?

O preconceito linguístico é uma forma de discriminação social. A pessoa que pratica isso passa a julgar o outro pela forma como ele se comunica, seja na escrita, seja na fala. O parâmetro que ela segue é com relação à norma culta: quanto mais distante, menos valor tem o indivíduo que comete os “erros”, os quais podem envolver uma letra fora do lugar ou um plural inadequado. Exemplos seriam: “pensanu” (no lugar de “pensando”), “largatixa”, “os menino”.

Ao cometermos esse julgamento, estamos não apenas ignorando o fato de que a pessoa não teve as nossas mesmas oportunidades nos estudos, como também desconsiderando toda a construção da cultura de determinada região. 

O que estamos tentando explicar é que cada canto do país tem suas variações linguísticas, que são hábitos diferentes de falar. Elas são criadas a partir de diversos motivos. Um deles, o mais óbvio, é o acesso à educação

Outro ponto importante tem a ver com nossa história de colonização. Nossa língua foi construída por influência dos portugueses (que vieram de várias regiões de Portugal), dos índios, dos diversos países africanos e de outros imigrantes (como alemães e italianos). 

Um terceiro relaciona-se com as influências nas fases de crescimento da criança. Ela aprende a falar ao ouvir os adultos ao redor. Logo, pega os trejeitos, que continuam a ser perpetuados a cada geração.

Como o preconceito linguístico pode aparecer na redação?

Bem, Enem é Enem, e, como sabemos, nem tudo é tão previsível. É possível que o tema peça apenas para o candidato dissertar explicitamente sobre o preconceito linguístico. Nesse caso, será preciso pensar na introdução, no desenvolvimento e na conclusão que abordem o assunto.

Assim, por se tratar de uma estrutura dissertativa-argumentativa, cada parte segue suas regras. Na introdução, é importante demonstrar o tanto que você compreendeu a proposta e identificou o problema desse preconceito. No desenvolvimento, é a hora de defender sua linha de pensamento, sem se esquecer, claro, dos direitos humanos. Na conclusão, é possível resumir os pontos principais ou sugerir uma solução a esse problema.

Outra forma possível seria uma abordagem mais indireta do tema, no qual não é necessariamente citada a expressão “preconceito linguístico”, e o candidato precisaria analisar qualquer outro contexto que abordasse português na redação. Poderia ser, por exemplo, uma relação entre educação e classe social. 

Nessa hipótese, durante a dissertação do tema, seria importante tomar o cuidado para evitar escorregões. Por exemplo, dizer que todos de classe mais baixa não sabem falar certo, ou que determinada região do país fala muito errado, seriam formas de preconceito. Nesse caso, seria melhor reformular o pensamento para algo como: “Pessoas com mais acesso à educação costumam ter mais afinidade com a norma culta do português”. Percebe a diferença?

Por que é importante evitá-lo?

Na verdade, é importante evitar qualquer forma de discriminação. Isso já nos ajuda a conviver em um mundo com menos violência, mais harmonia e mais saúde mental. Mas também podemos pensar no quanto é interessante você conseguir uma redação nota mil.

O êxito nela ajudará você a ficar em posições melhores em relação a outros candidatos, aumentando suas oportunidades de conseguir a tão sonhada vaga na faculdade. O sucesso também aumenta a chance de conseguir alguma bolsa, caso isso seja um objetivo seu.

Como garantir que não haverá preconceito linguístico na redação?

Saber como estudar o preconceito linguístico ajudará você a evitar vários erros, mesmo os involuntários, que são aqueles cometidos sem má intenção. Veja algumas ideias!

Leia muito sobre o tema preconceito

Livros, artigos, depoimentos. Não importa o formato do texto. Ler sobre os diferentes aspectos e formas de discriminação fará você ampliar suas ideias sobre o tema. Se tiver a oportunidade de ter contato com pessoas que sofrem ou já sofreram isso na pele, também será útil para a construção de mais empatia.

Tenha curiosidade pelos costumes do Brasil

Nosso país tem uma história rica. Tenha o costume de interessar-se pelas diversidades existentes em cada estado. Leia os autores, escute as músicas, experimente os alimentos, conheça as pessoas. Isso fará você perceber o tanto de particularidades existentes e o quanto todas são válidas.

Policie seus pensamentos

Outra forma de evitar o preconceito linguístico na redação é ter atenção aos seus pensamentos enquanto conversa com alguém. Quais são as primeiras ideias que surgem na sua mente quando alguém comete erros no plural, na conjugação do verbo ou na forma de pronunciar determinada palavra? Cuidado, pois os julgamentos podem ser exteriorizados nos momentos mais inapropriados, como na redação.

Faça questões de outras provas

Resolva questões de provas anteriores. Muitas vezes, elas se repetem ou são colocadas de forma parecida. Esse treino garantirá um olhar mais atento. O site Trilha do Enem é um ótimo espaço para você encontrá-las, fazer simulados ou até assistir a videoaulas.

Esteja por dentro do edital

Sempre acompanhe o edital do Enem. Lá constam as regras a serem seguidas por você no dia da prova e os pontos observados durante as correções das redações. Com isso, você já prepara sua mente para os tópicos que desclassificam sua colocação.

Acompanhe blogs

Leia blogs que tratam sobre assuntos de provas, Enem, ensino superior e redação. No Vestibulares, você encontra as melhores dicas sobre vestibulares, matérias das provas, bolsas e qualquer outro tema relacionado ao ingresso no ensino superior. A leitura garantirá que você chegue no dia mais bem preparado.

Bem, você deve ter percebido que, apesar de não ser um assunto muito debatido por aí, entender o que é e como evitar o preconceito linguístico na redação é muito importante, certo? Siga nossas dicas que, com certeza, você fará uma ótima prova no dia!

Gostou do artigo? Então, saiba, agora, o que fazer depois que sair o resultado do Enem!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: