Adjunto adnominal: saiba como cai no Enem!

adjunto adnominal

Quem está se preparando para o Enem precisa revisar o conteúdo de todas as áreas do conhecimento. Na parte de Linguagens, a prova foca bastante em interpretação de texto, mas as questões de gramática também aparecem e podem ser decisivas na pontuação do candidato.

Com isso, é importante dar atenção a todos os tópicos, como a análise sintática. Para tanto, é fundamental entender o que é adjunto adnominal. Essa matéria pode até parecer pequena, mas é cobrada de muitas maneiras, mesmo que indiretamente. Portanto, vale a pena revisar o assunto para se dar bem com o Português no Enem!

O que é adjunto adnominal?

O adjunto adnominal é um termo acessório da oração. Sua principal função é a de ampliar o conhecimento acerca do núcleo do sujeito ou do predicado em uma frase. Assim, ele especifica, determina ou delimita o significado de um substantivo.

Os adjuntos adnominais estão ali para auxiliar na construção da frase, sem modificar o sentido do núcleo. Eles podem ser:

  • artigos — “a porta bateu”;
  • pronomes — “minha moto está na manutenção”;
  • numeral — “as duas meninas saíram” (aqui, o artigo “as” também é adjunto adnominal);
  • adjetivo — “o belo rapaz é feliz” (o artigo “o” também é adjunto adnominal);
  • locução adjetiva — “aquele relógio de corda quebrou” (o pronome “aquele” também é adjunto adnominal).

Quanto termo técnico, não é? Mas calma! Com exemplos fica mais fácil de entender. Veja só:

  • o resultado dos jogos foi bom.

Se você se lembra bem das aulas de gramática, vai identificar “o resultado dos jogos” como o sujeito dessa oração. Por sua vez, “resultado” é o núcleo. Tudo o que ajuda a ampliar o nosso conhecimento sobre o núcleo é um adjunto adnominal. Então, “o”, “dos” e “jogos” cumprem essa função.

Olha outro exemplo:

  • os competidores corriam confiantes na vitória.

Aqui, “competidores” é o núcleo do sujeito, auxiliado pelo adjunto adnominal “os”. O restante da frase forma um predicado verbo-nominal, o que quer dizer que tem dois núcleos, um verbo e um nome — que pode ser adjetivo, substantivo ou advérbio.

Respectivamente, os núcleos são “corriam” e “confiantes”. Agora, preste atenção na frase: o termo “confiantes” precisa de algo mais para que seu significado seja completo. É aí que entram o adjunto adnominal “na vitória”, delimitando o sentido de “confiantes”.

Dica: atenção à etimologia!

Para ficar mais fácil se lembrar da função do adjunto adnominal, basta recorrer à etimologia. O prefixo”ad” vem do Latim e dá a ideia de aproximação. Portanto, “adnominal” é o que sempre vem junto ao nome. Assim como os adjuntos adverbiais vêm junto ao verbo.

Como funciona e quais são as regras?

A principal regra do adjunto adnominal é que ele só acompanha substantivos, servindo para especificá-los, delimitá-los ou determiná-los. Um dos grandes erros de Português é confundir complementos nominais e adjuntos adnominais.

Porém, você não está sozinho se tiver dificuldade em reconhecer um ou outro — essa é um dos dramas clássicos da nossa língua e que persegue gramáticos há décadas! Veja dois métodos para diferenciá-los!

Método 1: transitividade do substantivo

Um dos melhores jeitos de diferenciar um adjunto de um complemento nominal é verificar se o substantivo é transitivo ou intransitivo. No primeiro caso, ele precisa de um complemento nominal, que se comporta exatamente como um complemento verbal com os verbos transitivos.

Olha só uma breve revisão:

  • substantivo transitivo — precisa necessariamente de algum complemento para estabelecer seu sentido;
  • substantivo intransitivo — todo o sentido reside nele mesmo.

Por exemplo: o substantivo “construção” fica com o sentido incompleto por si só. Construção de quê? Em “a construção da casa“, os termos destacados são complementos nominais.

Nesse caso, trata-se de um substantivo transitivo indireto, já que precisa de uma preposição (da). Aliás, anote aí: o complemento nominal sempre vem com preposição.

Já o substantivo “fábrica” não necessita de complementação, é intransitivo. Uma estratégia que quase sempre funciona para identificar a transitividade é observar se a palavra em questão é um verbo transitivo substantivado.

“Construção” é uma substantivação do verbo “construir” que, por sua vez, é um verbo transitivo. Quem constrói, sempre constrói algo. Logo, toda construção precisa de um complemento nominal para ter seu sentido completo.

Método 2: caráter passivo ou ativo

O complemento nominal têm sempre um sentido passivo em relação ao nome. Já o adjunto adnominal é ativo. Veja dois exemplos:

  • “o jovem pediu perdão ao pai” — aqui, “ao pai” tem caráter passivo, já que o pai é paciente em relação ao pedido de perdão. Logo, estamos diante de um complemento nominal;
  • “o jovem pediu perdão do pai” — com essa pequena mudança, o pai se torna ativo, pois é ele quem dá o perdão. Por isso, “do pai” é um adjunto adnominal.

De quais formas ele pode cair no Enem?

O tópico de adjunto adnominal no Enem pode cair por meio da cobrança direta ou indireta. No primeiro caso, você pode ser orientado a realizar a análise sintática de uma oração, decompondo seus elementos de acordo com a função de cada um.

Nesse caso, atente sobretudo na diferença entre adjunto e complemento nominal! Na cobrança indireta, a compreensão sobre o que é o adjunto adnominal, como ele funciona e como se comporta na frase pode ajudá-lo na interpretação de textos.

Como estudar adjunto adnominal para o Enem?

Agora, confira algumas dicas de como se preparar para o Enem quando o assunto é adjunto adnominal!

Estude as classes de palavras

A dica mais importante é estudar bem as classes de palavras. Afinal, como você viu, é impossível falar de adjunto adnominal sem citar substantivos, advérbios, artigos e tudo mais. Você se lembra dessas categorias? Para ter tudo na ponta da língua, vale a pena revisar Morfologia para o Enem.

Faça a decomposição de frases

Pegue várias frases e faça a análise sintática delas, decompondo os elementos de acordo com a sua função. Conte com professores ou colegas craques em gramática para corrigir esses exercícios e, assim, se familiarizar mais com os adjuntos e outros componentes sintáticos.

Acompanhe a Trilha do Enem

Na Trilha do Enem, você consegue fazer diversos exercícios e simulados com questões baseadas no estilo do Exame, além de conferir videoaulas excelentes para revisão. Assim, você entenderá melhor não só sobre como funciona o adjunto adnominal, como vários outros tópicos para ter um ótimo resultado no Enem.

Muito bem! Você acaba de conferir algumas das principais informações sobre o que é adjunto adnominal, sua função dentro da frase e como ele costuma ser formado. Ainda, viu que há alguns métodos para diferenciá-lo do complemento nominal e não errar mais.

Para continuar aprendendo, leia também nosso post sobre como usar figuras de linguagem!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: