Entenda como usar figura de linguagem de uma vez por todas!

entenda como usar figuras de linguagem

Se você vai prestar o Enem e nem sabe por onde começar a estudar todos os tópicos de português importantes para ir bem na prova, certamente já se perguntou para que servem (e como usar) figuras de linguagem, certo?

Caso a resposta seja sim, não precisa sofrer por isso: nós vamos contar exatamente o que elas são, como você deve utilizá-las e quais são as principais de que você precisa saber para arrasar na prova. Confira!

O que é figura de linguagem?

Figura de linguagem é um elemento que pode ser utilizado no texto para que ele se torne mais expressivo. Por esse motivo, elas também são chamadas de “figuras de estilo” ou “recursos estilísticos”, já que melhoram a comunicação e trazem novos sentidos para a mensagem a ser transmitida.

Quais os tipos de figura de linguagem?

Agora que você já sabe o que são as figuras de linguagem, vamos falar sobre outra coisa importante: a classificação delas! Como existem mais de trinta desses recursos de estilo na Língua Portuguesa, existe uma divisão de acordo com as principais características de cada uma. Então, elas são divididas em figuras de palavras, figuras de pensamento, figuras de construção e figuras de som.

Figuras de palavras

Também conhecidas como figuras semânticas, elas estão relacionadas com o significado que as palavras apresentam e as alterações que ocorrem ao utilizar uma figura de linguagem desse tipo. Algumas delas são a catacrese, a comparação, a sinestesia, a metonímia e a metáfora.

Figuras de pensamento

São aquelas que apresentam novas ideias ou pensamentos a partir das palavras usadas. É o que acontece, por exemplo, ao utilizar ironia, personificação, antítese e hipérbole.

Figuras de construção

Essas figuras de linguagem, por sua vez, têm relação com a estrutura das frases. Ou seja: elas andam de mãos dadas com a gramática, mas não devem alterar a coerência e a coesão do texto. Alguns exemplos são pleonasmo, elipse e zeugma.

Figuras de som

Por fim, as figuras que se referem à sonoridade das palavras. As figuras de som têm o objetivo de realçar e de enfatizar os sons de um texto, dando mais destaque a eles. Uma das mais conhecidas é a onomatopeia, mas também existem outras nessa categoria, como a aliteração e a paranomásia.

Como usar figura de linguagem nas redações do Enem e vestibular?

A redação dos vestibulares normalmente é avaliada a partir de vários critérios que envolvem diversos aspectos, como uso correto da gramática e da ortografia, bem como os conhecimentos e a argumentação utilizados. Por isso, ir bem em português na redação pode ser algo mais fácil quando você utiliza as figuras de linguagem a seu favor, pois elas permitem empregar a linguagem conotativa e ter maior fluidez textual.

No vídeo abaixo, do canal Trilha do Enem, você pode conferir quase duas horas de aula sobre figuras de linguagem voltado ao Exame Nacional. Confira:

Quer saber uma forma eficaz de fazer isso? Você pode usar figuras de linguagem ao estabelecer comparações entre os argumentos e os fatos expostos ao longo do texto, ou até mesmo para introduzir uma citação que esteja relacionada com o tema abordado.

Como figura de linguagem cai nas provas do Enem e vestibular?

Além do uso na redação, as figuras de linguagem também podem aparecer em questões de Língua Portuguesa e interpretação textual. Na maioria das vezes, elas são destacadas de frases ou parágrafos de um texto, e é preciso identificar qual foi a figura de linguagem utilizada, a função dela e como modificou o contexto. Então, é essencial conhecer as principais figuras de linguagem antes de prestar vestibular!

Não sabe quais são elas? Sem problemas! Chegou a hora de conhecer as principais figuras de linguagem exigidas nas provas e o que cada uma representa. Vamos lá!

Hipérbole

Você já deve ter ouvido alguém dizer que está “morrendo de fome” ou “caindo de sono”, certo? Essas frases exageradas apresentam uma figura de linguagem muito conhecida e frequentemente exigida no Enem e vestibulares: a hipérbole! Ela é utilizada para demonstrar maior intensidade de algo, o que causa a ideia de exagero em uma frase, em um parágrafo ou até em todo o contexto.

Comparação

Essa é uma das figuras de linguagem mais simples, pois sua função é justamente comparar as características de algo. Ela também é conhecida como símile, e é possível identificar que está presente no texto graças aos termos comparativos, como “tal como”, “igual”, “como”, “assim como”, “parece”, entre outros. Quer um exemplo? Ao dizer “seus olhos são azuis como o mar” você já utilizou essa figura de linguagem! Fácil, não é mesmo?

Metáfora

Sabe quando você diz que uma pessoa “é um doce”? Cá entre nós: não tem como isso ser real, já que uma pessoa não pode ser um doce, concorda? Porém, essa comparação indireta é conhecida como metáfora, uma das figuras de linguagem mais presentes em textos poéticos.

Apesar de normalmente ser confundida com a comparação, existe uma diferença entre as duas: enquanto a comparação precisa de termos comparativos, a metáfora não utiliza essas palavras.

Eufemismo

Você já precisou dar uma notícia ruim e usou palavras mais suaves para tornar a situação mais leve? Se sim, saiba utilizou o eufemismo a seu favor! Essa figura de linguagem tem exatamente o intuito de tornar uma mensagem mais agradável a partir da substituição de palavras que tornariam a situação ruim. Um exemplo clássico é dizer que uma pessoa “partiu desta para a melhor” em vez de dizer que morreu.

Antítese

Encontrar palavras opostas na mesma frase em um texto literário é algo comum para quem está se preparando para o vestibular. Quando isso acontece, a figura de linguagem em questão é a antítese, que consiste na aproximação de termos que têm significados completamente diferentes. Um exemplo simples: “O amor e o ódio andam sempre juntos”.

Paradoxo

Outra figura de linguagem que trabalha com a oposição é o paradoxo, porém, não se engane ao pensar que ele é igual à antítese! Na verdade, o paradoxo faz um jogo de ideias contrárias, mas sem a necessidade de utilizar palavras opostas. Por isso, a oposição é muito menos explícita do que no caso da antítese, como você pode ver neste exemplo: “A voz que dá boas-vindas é a mesma que diz adeus”.

Sinestesia

Talvez você nunca tenha percebido, mas algo comum no cotidiano é unir sensações ao falar uma única frase. Ao fazer isso, você está usando a sinestesia, figura de linguagem que reflete no uso de palavras que vão relacionar os sentidos do corpo humano, isto é, audição, visão, tato, paladar e olfato. Portanto, dizer que prefere roupas de “cores quentes” ou que alguém tem uma “voz doce” são alguns exemplos disso.

Gradação

Sabe quando você está lendo uma história e, de repente, várias palavras surgem em um parágrafo e levam até uma ideia central? Isso se chama gradação, que é a figura de linguagem responsável por enumerar uma sequência de termos com o objetivo de intensificar uma ideia ou de levar ao ponto alto de uma história. É o que acontece, por exemplo, no trecho “É pau, é pedra, é o fim do caminho” da música “Águas de Março”, da cantora Elis Regina.

Onomatopeia

Pode confessar: uma das suas brincadeiras de infância era criar ou imitar os sons das coisas, certo? Seja o “tic-tac” do relógio, o “ding-dong” da campainha ou o “miau” de um gato, esses ruídos demonstrados a partir de palavras são exemplos da onomatopeia. Trata-se da figura de linguagem cuja função é expressar os barulhos da natureza, de objetos e de ações nos textos escritos ou falados.

Prosopopeia

Também conhecida como personificação, essa figura de linguagem costuma aparecer em histórias infantis, já que animais e objetos muitas vezes podem estar entre os personagens, que fazem parte dos elementos da narrativa desses contos.

Como eles precisam interagir entre si, os autores dão ações e sentimentos humanos a seres que não apresentam essas características. Ou seja: é o que acontece ao dizer que “o Sol descansou” ou que “a Lua está tranquila”.

Além dessas figuras de linguagem, pode ser que você queira saber mais sobre a catacrese, zeugma, elipse e tantas outras que podem aparecer na sua prova do vestibular. Por isso, fica a dica: a Trilha do Enem conta com simulados e videoaulas que podem ajudar nessa tarefa!

Aproveite a sua visita no blog e continue conferindo dicas a fim de arrasar no Enem 2020 estudando de um jeito prático e eficiente.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 20

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: