5 dicas para estudar as orações subordinadas

estudante conferindo orações de português enem

As orações subordinadas são orações que completam a estrutura sintática de uma oração principal, havendo entre elas (a principal e a subordinada), portanto, uma relação de comprometimento sintático.

Para que isso fique mais claro, neste post você vai entender melhor o papel da oração subordinada na elaboração do texto e 5 dicas de como estudar esse conteúdo para ter sucesso na prova de Português do Enem e dos vestibulares.

Antes das dicas, é preciso relembrar que o texto é resultado de uma articulação lógica entre as palavras. Quando há essa articulação em torno de um verbo, temos a oração, e as orações formam períodos, e os períodos formam parágrafos que formam o texto.

O conhecimento das articulações promovidas pelas orações subordinadas é fundamental, ainda, na produção da redação do Enem, momento em que esse assunto é cobrado indiretamente e erros de português não são admitidos.

Vejamos, então, como se comportam as orações subordinadas e o que fazer para compreender e memorizar a matéria, tão cheia de nomes e regrinhas. Se você está pronto, é hora de começar!

Faça resumos

Em seu plano de estudos do Enem, as matérias de Língua Portuguesa são uma parte significativa. O conhecimento do conteúdo é fundamental para a prova de Linguagens, códigos e suas Tecnologias, mas, também, para produção de texto, necessária para entrada em qualquer curso superior — nem o vestibular online dispensa a prova de redação, sabia?

Primeiramente, é importante lembrar que o período composto pode ser formado por coordenação ou subordinação. A diferença entre os dois é que, na coordenação, as orações são independentes entre si e, na subordinação, elas são dependentes entre si. Veja:

  • É preciso/que você leia o manual do candidato antes da prova.

Nesse exemplo, temos duas orações separadas pela barra. A primeira está incompleta na sua estrutura sintática, que é completada pela segunda. Portanto, esse período é composto por subordinação.

Na hora de elaborar seu resumo, lembre-se de que as orações subordinadas se dividem em substantivas, adjetivas e adverbiais.

As substantivas são assim conhecidas porque exercem o papel sintático do substantivo — uma das classes gramaticais que desempenha o maior número de funções sintáticas dentro da frase, podendo ser:

  • sujeito;
  • objeto direto;
  • objeto indireto;
  • complemento nominal;
  • predicativo do sujeito;
  • aposto.

Quando a oração exerce uma dessas funções, ela se classificará como substantiva. No exemplo citado, está faltando o sujeito do verbo “ser”, que será fornecido pela oração subordinada subjetiva.

Prossiga assim, listando exemplos de frases e classificando as orações que se encaixam na respectiva função sintática.

Faça mapas mentais

Essa técnica é útil para o aprendizado da sintaxe, porque permite visualizar a relação entre os termos da oração e entre as orações numa folha de papel. Com o mapa mental, você consegue fixar o conteúdo de forma visual e enxergar as “pontes” entre cada tópico.

No caso da oração subordinada, volte aos itens que foram elencados no resumo e organize-os em volta do tópico “oração principal”. Puxe uma setinha para cada tipo de subordinada, usando cores diferentes para facilitar a memorização. Inclua, além das substantivas:

  • orações subordinadas adjetivas, com suas duas classificações (restritiva e explicativa);
  • orações subordinadas adverbiais.

Depois, inclua exemplos e, ainda, as conjunções e preposições mais utilizadas em cada caso.

Resolva muitos exercícios

Simulados de vestibular e questões de provas anteriores são uma ótima forma de estudar orações subordinadas e outros conteúdos para o Exame, concorda? Se você ainda não é adepto desse método, está deixando de lado uma importante ferramenta de estudo.

A forma de se resolver a questão, o raciocínio lógico exigido e o tempo destinado a cada uma podem ser treinados: assim como você se exercita e fortalece os músculos, o cérebro tem a mesma capacidade de se fortalecer. Não duvide de que, quanto mais preparado, melhor será seu desempenho na hora da prova.

Existem, na internet, plataformas que disponibilizam gratuitamente testes e simulados para o Enem e os vestibulares, como o Trilha do Enem. Inclua essa atividade na sua rotina de estudos e verá a diferença que faz.

Faça conexões

Entender o porquê dos nomes das orações e estabelecer conexões com o estudo da morfologia (classes de palavras) e da sintaxe do período simples vai ajudar nos seus estudos da oração subordinada.

Para se ter uma ideia, só as orações subordinadas adverbiais, que cumprem a função de adjunto adverbial da oração principal, são nove, conforme a classificação da gramática normativa:

  • condicionais;
  • comparativas;
  • consecutivas;
  • conformativas;
  • concessivas;
  • causais;
  • temporais;
  • proporcionais;
  • finais.

Como a nomenclatura é extensa, vale a pena apelar para o sentido de cada nome desses aí. Lembre-se de que o nome (e a classificação) da oração é dado dependendo do sentido expresso pela conjunção que a introduz. Por exemplo:

  • Se fizer frio, tirarei os casacos do armário.

A condição estabelecida para tirar os casacos do armário é fazer frio, sendo a oração “se fizer frio” subordinada adverbial condicional.

  • Ele agia em certas situações como o pai.

A oração “como o pai” estabelece a comparação entre a ação do sujeito e a do pai. Essa oração é subordinada adverbial comparativa.

  • Falou tão alto que todos perceberam a sua presença.

“Que todos perceberam a sua presença” se deu em consequência de ele ter falado alto. Essa oração é subordinada adverbial consecutiva.

Viu como fica bem mais simples se você conseguir estabelecer conexões entre os nomes? Agora, é só continuar: final tem a ver com finalidade; tempo relaciona-se a temporalidade, e por aí vai.

Utilize material impresso

Nem só de tela de computador e smartphone vive um vestibulando! Se você não for fazer o Enem Digital, é preciso estudar, treinar, ler e escrever em material impresso também. Portanto, imprima alguns simulados que citamos acima, faça os resumos e mapas mentais no papel e concentre-se em elaborar redações dessa forma também.

Nós temos uma espécie de memória muscular que nos ajuda a gravar com mais facilidade aquilo que é escrito do que o que é digitado. A escrita requer do estudante a decodificação do conteúdo e uma atividade motora mais detalhada do que a digitação. Além do mais, é assim que você terá que fazer na hora da prova, caso escolha a versão do vestibular tradicional.

Porém, mesmo que opte pelo vestibular online ou Enem Digital, separe um período para estudar oração subordinada no caderno (leitura e escrita, assim como resolução de exercícios), ok?

Agora, continue sua preparação para conquistar sua vaga na faculdade e conheça os melhores cursos online pra redação no Enem!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: