5 segredos para não errar no português da redação

5segredosparanaoerrarnoportuguesdaredacao

Quando chega a hora de se preparar para a redação do vestibular e Enem, é comum ter uma série de dúvidas em relação à escrita do texto. Porém, uma coisa que muitos estudantes deixam de lado é um dos fatores essenciais para ter uma boa nota: o português na redação.

Na linguagem escrita, existem diversas regras de português que devem ser seguidas, mas nem sempre é fácil lembrar todas elas. Assim, o risco de cometer erros capazes de impedir um bom desempenho na prova para ingressar na faculdade é grande!

Então, para ajudar você na tarefa de mandar bem no português para passar na redação, nós trouxemos 5 dicas que vão facilitar a sua vida na hora de produzir o seu texto. Vamos lá!

1. Cuidado com a concordância entre os verbos

Se você já ouviu alguém usando a clássica frase “a gente fomos”, com certeza já presenciou um erro de concordância verbal. Mas, caso não saiba o que isso significa, nós vamos explicar: a concordância é deixar o verbo de acordo com o sujeito que foi utilizado. Ou seja: se um estiver no plural, o outro também deve estar.

Apesar de ser algo simples, isso faz toda a diferença na sua redação, pois demonstra conhecimento sobre as regras gramaticais. Por esse motivo, sempre confira se os termos estão concordando entre si. Quer uma dica? Sempre que escrever uma frase, veja quem está praticando uma ação. Se for você, ele ou eu, o verbo deve ser no singular. Caso sejam eles, vocês ou nós, o verbo precisa vir no plural!

2. Uma vírgula pode mudar tudo (literalmente)

A vírgula é a melhor amiga de um bom texto, mas, se não for bem utilizada, ela vai se tornar a sua maior inimiga. O fato é que a presença (ou a ausência) desse sinal de pontuação que é frequentemente esquecido pode transformar completamente o sentido do que você escreveu. Vamos a um exemplo prático:

“João, pega o livro para estudar” e “João pega o livro para estudar”. Percebeu a diferença? No primeiro exemplo, a frase é uma ordem para que João pegue o livro e estude. No segundo caso, a mensagem que temos é completamente diferente: o João sempre pega o livro para que possa estudar. Agora, imagine uma mudança de sentido como essa acontecendo bem no meio do desenvolvimento do seu texto… não seria uma boa ideia, certo?

3. Adeus ao pleonasmo na escrita

Se existe algo muito presente na comunicação falada, sem dúvidas é o pleonasmo. Cá entre nós: quem nunca falou ou ouviu algo como “subir para cima” e “ver com os próprios olhos”? Entretanto, essa é mais uma daquelas estruturas comuns, mas que devem ser evitadas, pois essa repetição de informações é prejudicial na hora de escrever. Por isso, tenha atenção a esse detalhe na hora de revisar a sua redação.

4. O jeito certo de usar os pronomes demonstrativos

Ok, pode ser que você nem lembre o que são pronomes demonstrativos, e é justamente por isso que separamos esta dica: vai ser mais fácil saber como usá-los depois de descobrir que eles são, basicamente, aquelas palavras que costumamos falar quando queremos indicar onde algo ou alguém está. Então, como o nome já diz, eles demonstram a localização.

Sabendo disso, já dá para imaginar que estamos falando de termos como este, esta, isto, aquela… e suas variações! Se parece tudo igual para você, chegou a hora de mudar sua percepção sobre o assunto. Pode acreditar, existem as formas corretas de colocá-los na sua redação.

Olha só: usamos “este”, “esta” e “isto” quando queremos indicar algo que está perto de quem fala. Além disso, essas palavrinhas também servem para citar algo que ainda não foi dito. Por outro lado, “essa”, “esse” e “isso” servem para as coisas que estão perto de quem está recebendo a mensagem, e são usados ainda para mencionar algo que já apareceu anteriormente no texto.

Por fim, temos “aquilo”, “aquele” e “aquela”, que são os pronomes demonstrativos mais fáceis de diferenciar, já que os utilizamos para falar daquilo que está distante de quem está emitindo e de quem está recebendo a mensagem. Fácil, não é?

5. Preste muita atenção na regência

Se você acha que regência só tem a ver com música, está na hora de intensificar suas aulas de português e redação e aumentar as chances de ir bem na produção do texto para o Enem! Na verdade, essa é uma área de estudo da gramática responsável por estabelecer relações entre as palavras.

É isso mesmo: algumas palavras estão interligadas e são dependentes de outras! As situações mais comuns do uso da regência são aquelas em que temos verbos que dependem — ou não — de um complemento antes da próxima palavra. Um exemplo clássico é o verbo assistir: quando é utilizado no sentido de “ver” alguma coisa, o correto é dizer que alguém “assistiu ao filme”.

Portanto, é importante estudar esse assunto para não cometer erros, como esquecer de colocar a preposição na hora de escrever algumas frases.

Como mostramos ao longo deste post, os erros podem surgir de variadas formas, mas é fato que todos eles podem atrapalhar sua meta de conseguir uma boa nota. Por isso, ter conhecimento da língua portuguesa e estudar constantemente são tarefas cruciais para conseguir um bom desempenho.

Agora que você já sabe como pode melhorar seu português para a redação do vestibular e Enem, que tal ajudar outros estudantes que também estão na jornada em busca da vaga na faculdade? Compartilhe este artigo em suas redes sociais para que seus amigos também aprendam a escrever melhor. Eles vão adorar!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.1 / 5. Número de votos: 8

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: