Concordância nominal: veja como estudar para o Enem

estudantes estudando concordância no enem

Estar afiado em Português no Enem é um passo muito importante para quem desejar tirar uma boa nota. Os conhecimentos da língua são exigidos em dose dupla ou até tripla: na prova de Linguagens, códigos e suas tecnologias, na redação e na interpretação de textos das outras matérias em geral.

Seja qual for a sua trajetória, falar e escrever bem é uma qualidade fundamental. Sua comunicação fica mais eficaz e atraente, chamando a atenção das outras pessoas e ajudando no crescimento profissional.

Um dos tópicos de gramática que muita gente costuma errar de bobeira no vestibular é a concordância nominal. Neste tópico, você vai aprender as regras adequadas para dominar o tema. Continue conosco e arrase na prova do Enem!

O que é concordância nominal?

Em português, concordância diz respeito à necessidade de harmonia entre os elementos da oração. A concordância nominal é o modo de se construir orações coerentes com base no sintagma nominal, cujo núcleo nada mais é que o substantivo.

Como exemplo, leia a frase “as bananas são amarelos”. Ora, a organização dos elementos claramente quebra a harmonia da língua portuguesa, pois o substantivo está no feminino e o adjetivo no masculino. Esse caso demonstra uma discordância de gênero.

A discordância também pode ser de número, como na frase “o céu é azuis”. Pense bem, se o céu é um substantivo no singular, como poderia estar “azuis”, no plural? De novo, a harmonia da oração foi rompida, devido à utilização incorreta da língua.

Você pode estar se perguntando, qual é a importância disso, afinal? Ora, toda língua é uma ferramenta usada para comunicar pensamentos, para possibilitar o entendimento mútuo entre pessoas. Por menores que possam parecer, são diferenciações como a concordância nominal que asseguram o funcionamento do processo.

Existem muitas coisas para serem ditas e diversas formas de se entender. Para garantir que cada significado seja transmitido e compreendido, a gramática estabelece um conjunto de regras para serem seguidas. Sem elas, as margens de erro poderiam crescer e trazer ruídos para os discursos, mais ou menos como na famosa brincadeira do telefone sem fio.

Nos estudos gramaticais, de maneira geral, existe uma área chamada sintaxe que se dedica a controlar a ordem das palavras dentro das frases. Regulando o uso das conjunções coordenativas e outras coisas, ela torna possível que digamos e entendamos cadeias de ideias elaboradas, como é o caso deste texto.

No dia a dia, costumamos conversar com tanta naturalidade que mal percebemos o mecanismo complexo que torna a comunicação possível. Mas ele está lá e sem ele provavelmente o mundo humano cairia em uma grande bagunça. Afinal, uma das coisas que melhor define a nossa espécie é a capacidade de fazer uso da linguagem.

Qual é a principal regra da concordância nominal?

A principal regra da concordância nominal é que os termos determinantes de uma oração (artigos, pronomes adjetivos, numerais, adjetivos) devem sempre concordar em gênero e número com o substantivo. Se o substantivo estiver no feminino plural, os determinantes devem segui-lo. Se estiver no masculino singular, idem.

Por exemplo, na frase “as professoras são cuidadosas com os alunos”, o adjetivo “cuidadosas” está concordando em gênero (feminino) e número (plural) com o substantivo “professoras”. Todavia, na frase “os cadernos vermelhos são lindos”, tanto “vermelhos” quanto “lindos” concordam com o substantivo “cadernos”.

No fundo, a lógica é simples. Basta olhar com atenção quais são os elementos presentes na oração e a qual substantivo eles se relacionam. Uma mesma frase pode exigir mais de uma concordância. Por exemplo, na frase:

Três moscas corajosas pousaram no tigre sonolento.

Aqui, a frase tem dois adjetivos, cada um deles ligado a um adjetivo diferente. “Corajosas” está no feminino plural, porque estabelece concordância com o substantivo “moscas”. Já “sonolento”, que segue o substantivo “tigre”, está no masculino singular.

Como o Enem pode cobrar as regras específicas da concordância nominal?

Sim, o Português na redação ou na prova de Linguagens do Enem pode cobrar regras específicas de concordância nominal. Alguns casos podem parecer complexos, mas não se preocupe. Basta estudar com cuidado e praticar para dominar cada possibilidade. A seguir, você confere alguns casos especiais.

Adjetivo posposto ao substantivo

Se o adjetivo estiver posposto, isto é, colocado depois de dois ou mais substantivos, qual é a concordância correta? A resposta correta é: depende. Caso os dois substantivos tenham o mesmo gênero, o adjetivo vai para o plural (sem mudar o gênero) ou então concorda com o substantivo mais próximo. Por exemplo:

Ela vestia pulseira e coroa douradas.

Ela vestia pulseira e coroa dourada.

Ele tinha carro e relógio caros.

Ele tinha carro e relógio caro.

Se os substantivos tiverem gêneros diferentes, a regra muda. Nesse caso, o adjetivo vai para o masculino plural ou então concorda com o substantivo mais próximo. Assim:

O homem e a mulher bondosos duvidaram do capitão.

O homem e a mulher bondosa duvidaram do capitão.

A mulher e o homem bondoso duvidaram do capitão.

Adjetivo anteposto ao substantivo

O adjetivo também pode estar anteposto, isto é, colocado antes do substantivo. Nesse caso, há uma regra para substantivos comuns e outra para substantivos próprios.

Quando os substantivos são comuns, a concordância deve ser feita com o que estiver mais próximo do adjetivo. Assim, é possível dizer tanto “o garoto tem bonita camisa e sapato”, quanto “o garoto tem bonito sapato e camisa”.

Se os substantivos são próprios, o adjetivo deve ficar sempre no plural. Por exemplo, a frase “os geniais Garrincha e Reinaldo são ídolos da história brasileira”.

Dois ou mais adjetivos se referindo ao mesmo substantivo

Quando vários adjetivos qualificam o substantivo, as construções variam. Os casos básicos são:

Ele fala a língua inglesa e a portuguesa.

Ele fala as línguas inglesa e portuguesa.

A construção “ele fala a língua inglesa e portuguesa” parece correta. Porém, aí há uma ambiguidade: é apenas uma língua combinando as duas ou são duas línguas diferentes? Sendo assim, melhor evitar.

Como estudar concordância nominal para o Enem?

Se o tema parece desafiador, fique tranquilo. Como qualquer conhecimento que envolve regras e detalhes, a concordância nominal exige treinamento constante. Além de repassar as dicas e fazer exercícios, não se esqueça da importância da leitura.

Pode valer a pena fazer um simulado de vestibular e praticar a escrita com frequência. Assim, você testa seus estudos e avalia se já está preparado para o vestibular.

Caso ache necessário revisar a concordância nominal, busque a ajuda do Trilha do Enem e monte um plano de estudos personalizado. É uma plataforma preciosa para quem quer aproveitar a chance de fazer uma boa graduação!

Continue a estudar para o Enem e demais vestibulares. Saiba, agora, quais são os erros de Português mais comuns!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: