O que é uma bolsa de iniciação científica e como conseguir?

estudantes com bolsa de iniciação científica

Entender o que é e como funciona a iniciação científica é um passo importante para o aluno que deseja tirar o máximo de proveito da graduação. Ela é uma atividade que articula algumas frentes de experiência no ensino superior, permitindo aprendizados práticos mais profundos.

Além disso, é um programa que costuma envolver apoio financeiro, na forma de pagamentos ou descontos. Nesse sentido, oferece uma ótima possibilidade para quem precisa aliar a necessidade de trabalho com o campo de estudos desejado.

Existem informações essenciais para quem busca avaliar as opções e decidir se vale a pena uma bolsa de iniciação científica. Neste post, você fica sabendo tudo sobre a iniciação científica e recebe dicas úteis sobre como conseguir uma. Continue conosco e descubra uma nova possibilidade para planejar sua graduação!

O que é uma iniciação científica?

A bolsa de iniciação científica funciona como introdução ao ambiente da pesquisa acadêmica. Nela, o aluno tem a chance de escolher um tema do seu interesse e participar de grupos ou projetos especializados. É um modo de testar a vocação para a ciência e entender melhor a estrutura de produção de conhecimento.

Você pode pensar na iniciação científica como um processo de amadurecimento para a realização de diversos projetos. Através dela, o bolsista aprende novos métodos de trabalho e formas inovadoras de aplicar as teorias estudadas.

Sendo assim, além de ajudar quem deseja seguir carreira acadêmica, ela reforça a formação de uma mentalidade comprometida com o conhecimento. O estudante ganha em qualificação profissional para atuar no mercado de trabalho e também se prepara para realizar uma pós-graduação ou uma especialização.

Ao escolher fazer parte de um grupo de pesquisa, o aluno recebe todas as orientações necessárias de um professor que pode ser mestre ou doutor. Ele será o seu orientador. Muitas vezes, esse tipo de relação traz uma convivência próxima e um aprofundamento das trocas entre professor e aluno.

No Brasil, o auxílio de iniciação científica costuma ser regulado por órgãos específicos que oferecem incentivo financeiro ou organizam editais. É o caso da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, que oferece a bolsa PIBIC) e do INPE, que além da PIBIC, também oferece a PIBITI.

Como funciona a bolsa por iniciação científica?

Em várias faculdades de excelência, há centros de pesquisa específicos como laboratórios ou grupos de estudo que disponibilizam programas de iniciação. O mais comum é que a atividade seja remunerada, mas a participação também pode ser voluntária.

Na graduação, a modalidade remunerada tem grande utilidade para o estudante que precisa arcar com o preço da mensalidade. Ela equivale a obter desconto total ou parcial no curso, dependendo da instituição de ensino. Por isso, pode ser uma opção válida para quem busca uma bolsa para faculdade.

Existem mecanismos para realizar as atividades com bolsa de apoio financeiro. Os principais estão ligados ao sistema de bolsas Capes e ao CNPq, sendo possível recorrer, também, às Fundações de Amparo à Pesquisa.

Em muitos casos, o recurso chega ao aluno por meio de um vínculo negociado previamente entre a faculdade e os órgãos. Por isso, é importante buscar uma faculdade que ofereça boas condições de pesquisa. Existem também editais e processos seletivos específicos para avaliar o aluno que deseja participar.

Para começar a iniciação científica, o candidato deve escolher um objeto de estudo e abrir um diálogo com seu possível orientador. Se um determinado professor não parecer adequado, tente outro. É fundamental haver sintonia entre o desejo do estudante e a trajetória das pessoas que vão acompanhá-lo de perto.

Por esse motivo, é interessante conhecer a estrutura da faculdade, dos laboratórios e de outros centros de atividades que nela existam. Muitos cursos aceitam que os resultados obtidos na iniciação sejam usados como equivalência nas disciplinas finais do curso (no famoso TCC).

Quais são os passos para conseguir uma bolsa de iniciação científica?

Não há regra válida para todos os casos. Todavia, quem deseja se planejar e aumentar as chances de sucesso pode seguir alguns passos básicos. Tenha em mente um tipo de roteiro.

Para conseguir uma bolsa de iniciação científica, em primeiro lugar você deve saber qual é o curso que mais interessa a você. Esse passo é importante e vale a pena pensar com cuidado para não se meter em furada! Claro que não dá pra ter certeza de tudo antes de experimentar, por isso, reflita com cuidado e considere realizar um teste vocacional.

Uma vez escolhido o curso, encontre uma instituição que ofereça esse tipo de bolsa. Nem todas as faculdades têm um programa de iniciação científica ou abertura para esse tipo de empreitada. Privilegie, claro, os lugares que já trazem uma tradição na qualidade do ensino.

Próximo passo: inscreva-se no Enem ou vestibular. Claro, prepare-se com o máximo de dedicação, para garantir uma boa nota e ser aprovado no ensino superior. Lembrando que também existem opções de bolsa de estudo sem fazer o Enem.

Quando você já estiver matriculado na faculdade, chega uma etapa estimulante do percurso. Começa o contato com as matérias do curso, as trocas com professores e colegas, as leituras e as conversas. É nesse ponto que você terá condições de encontrar um tema de interesse para o projeto de pesquisa.

Após decidir qual é o tema, inicie um diálogo com um professor que esteja familiarizado no assunto em questão. Podem ser necessários alguns ajustes, para amadurecer o projeto e afiná-lo com a perspectiva do orientador. Vale a pena, também, frequentar grupos de estudos e estar sempre aberto para debater ideias.

Não se esqueça de consultar as condições de bolsas de iniciação científica existentes na faculdade. É bom ficar ligado também nos editais e nos incentivos oferecidos pelos órgãos especializados, como a Capes e o CNPq. Dependendo do caso, pode surgir uma situação favorável para o desenvolvimento do estudo desejado.

E aí, gostou de conhecer melhor as possibilidades de realizar uma iniciação científica na faculdade? Aproveite e inscreva-se já no vestibular! Comece logo o seu caminho rumo ao tão sonhado sucesso profissional!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos !

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Instituições Participantes do Vestibulares

O Vestibulares traz informações sobre os processos seletivos de sete instituições pelo Brasil: