Quem foi Isaac Newton e como ele contribuiu para Física?

Um dos nomes mais importantes na história da ciência é, sem a menor dúvida, o de Isaac Newton. Grande parte daquilo que forma a base da Física e da Matemática em nossa sociedade tem contribuições inestimáveis desse pensador. Sua obra influencia quase todos os cientistas que chegam depois dele.

Por esse motivo, conhecer devidamente a sua trajetória é obrigação de qualquer estudante que deseja tirar uma boa nota de Física no Enem. Além disso, é fundamental ficar por dentro das Leis de Newton e como podem ser cobradas nas provas de vestibulares.

E aí, ficou interessado e quer saber quem foi Isaac Newton e a sua contribuição para a Física? Então, continue a leitura!

Quem foi Isaac Newton?

Isaac Newton foi uma das figuras mais importantes da ciência ocidental, tendo feito contribuições inestimáveis em diversos ramos do conhecimento. Astrônomo, alquimista, filósofo e teólogo, ele é especialmente conhecido pela sua carreira de físico e matemático.

Isaac Newton nasceu em 1643, na cidade de Woolsthorpe, uma pequena vila da Inglaterra. Tendo nascido de maneira prematura, o cientista não chegou a conhecer seu pai, um rico fazendeiro que morreu três anos depois de seu nascimento. Com três anos, quando a mãe se casou novamente, ele foi viver com a avó materna, Margery Ayscough.

Conta-se que Newton tinha uma personalidade peculiar, sendo desde cedo introspectivo e dotado de temperamento indócil. Sem aceitar seguir o caminho programado pela sociedade, que o levaria para os negócios da família, preferiu acreditar na força de vontade e seguir com paixão seus interesses de vida.

Newton foi educado na The King’s School, na cidade de Grantham, onde aprendeu, entre outras coisas, aritmética, trigonometria, agrimensura e construções geométricas. Deste modo, ao contrário do que alguns contam, já tinha um conhecimento notável de Matemática antes mesmo de ir para Cambridge.

Uma vez no ensino superior, Newton traçou um caminho rico de descobertas, sofrendo uma série de influências. Além do seu professor e orientador Isaac Barrow, ele teve contato com os pensamentos de Viète, Schooten, Descartes, Wallis, Fermat, Cavalieri, Galileu e Kepler. Graduou-se em 1665.

Já em 1663, ele formulou o famoso teorema conhecido como Binômio de Newton. Também arriscou suas primeiras hipóteses sobre a Gravitação Universal e esboçou reflexões sobre assuntos avançadíssimos, como as séries infinitas e o Cálculo Diferencial e Integral.

Em 1666, o Trinity College, onde ele estudava, foi fechado por causa da peste negra. Newton voltou para a casa da mãe, onde fez quatro das suas descobertas mais importantes para a civilização: o Cálculo Integral e Diferencial, o Teorema Binomial, a Lei da Gravitação Universal e o alicerce das suas teorias ópticas.

Em qual matéria se estuda as Leis de Newton?

As Leis de Newton são estudadas na matéria de Física. Questões sobre o assunto podem ser encontrados na prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias no Enem.

Quais são os exemplos práticos da aplicação das Leis de Newton?

Além da Gravitação Universal, em 1687 Isaac Newton publicou três leis relacionadas aos princípios básicos da Mecânica. De modo geral, elas explicam o movimento de objetos físicos em algumas situações diferentes. Confira, abaixo, quais são elas.

1ª Lei de Newton (inércia)

A Primeira Lei de Newton diz respeito ao atributo da inércia, isto é, a tendência dos corpos de permanecerem em equilíbrio caso nada interfira em seu sistema. Sendo assim, se não houver força atuando sobre ele, um objeto vai permanecer em repouso ou em movimento retilíneo uniforme.

Alguns exemplos práticos da aplicação da Primeira Lei de Newton são:

  • quando um carro realiza uma curva é importante que uma força atue, pois de outra maneira o carro seguirá em linha reta;
  • somos atirados para frente quando estamos dentro de um ônibus em pé e o mesmo freia bruscamente.

2ª Lei de Newton (princípio fundamental da mecânica)

A Segunda Lei de Newton afirma que a força resultante, isto é, a soma das forças que atuam sobre um corpo, deve ser igual à sua massa multiplicada por sua aceleração. A equação utilizada para representar este aspecto é: Fr = m × a, onde Fr é força resultante, m massa e a é aceleração.

Na Segunda Lei de Newton, a massa do objeto é a constante de proporcionalidade da equação, sendo a medida de inércia de um corpo. Assim, se aplicarmos a mesma força em dois corpos com diferentes massas, o de maior massa sofre uma aceleração menor.

Nesse caso, é possível concluir que o de maior massa resiste mais as variações de velocidade, tendo maior inércia.

3ª Lei de Newton (ação e reação)

A Terceira Lei de Newton diz somente que caso um corpo A aplique uma determinada força sobre um corpo B, vai receber uma força igual, com intensidade idêntica, mesma direção, porém em sentido contrário. Por exemplo, quando uma bola bate na parede, ela recebe de volta uma força equivalente, no sentido oposto.

Tour pela prova do Enem

Veja outros exemplos:

  • ao disparar um tiro, o atirador é impulsionado no sentido contrário da bala por uma reação ao disparo;
  • as naves espaciais usam o princípio da ação e reação para se movimentarem. Ao ejetar gases de combustão, são impulsionadas em sentido contrário à saída desses gases.

Essas leis podem ser usadas para resolver uma infinidade de questões de Física para o vestibular. Para dominar bem o tema, continue a estudar sobre as aplicações delas e as conexões que elas têm com outros conhecimentos de Matemática e Física.

Como estudar Leis de Newton para o Enem e vestibulares?

O primeiro passo para estudar o tema para o Enem é fazer muitos exercícios. Com eles, é possível não apenas tirar dúvidas, mas aprender com os seus erros. Além disso, a resolução de questões auxilia você a conhecer a prova que vai prestar.

Ou seja, quanto maior o número de exercícios feitos, mais você entende o que os vestibulares cobram e, por consequência, mais fácil será solucionar as questões. Então, lembre-se de sempre praticar!

Qual o exemplo de exercício que cai na prova do Enem ou vestibular?

Agora, veja um exemplo de questão que pode ser cobrado nas provas!

(Cefet-MG) Um veículo segue em uma estrada horizontal e retilínea e o seu velocímetro registra um valor constante. Referindo-se a essa situação, assinale (V) para as afirmativas verdadeiras ou (F) para as falsas.

( ) A aceleração do veículo é nula.

( ) A resultante das forças que atuam sobre o veículo é nula.

( ) A força resultante que atua sobre o veículo tem o mesmo sentido do vetor velocidade.

A sequência correta encontrada é

a) V F F.

b) F V F.

c) V V F.

d) V F V.

A resposta correta é a letra C. A primeira opção é verdadeira, já que a aceleração é nula porque não há variação na marcação da velocidade feita pelo velocímetro. Se não há variação de velocidade, não há aceleração.

A segunda alternativa também é verdadeira, pois a força é resultado do produto da massa pela aceleração. Se a aceleração é nula, a resultante das forças que atuam sobre o veículo também é nula. Já a terceira opção é falsa, pois não há vetor força resultante, uma vez que a força é nula.

Agora é com você!

Agora que já sabe quem foi Isaac Newton e a sua importância para a Física, saiba que é fundamental dedicar um bom tempo do seu cronograma de estudos para estudar esse conteúdo. Com isso, você fica mais perto de conquistar a tão sonhada vaga em um curso superior!

Gostou de saber quem foi Isaac Newton e quer estudar em uma faculdade conceituada? Então, inscreva-se em nosso vestibular online!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.8 / 5. Número de votos: 90

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você!

Vamos melhorar este post!

Diga-nos, como podemos melhorar este post?

Dê mais um passo na direção do Vestibular dos seus sonhos!

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos em primeira mão!

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Oops! Invalid captcha, please check if the captcha is correct.
Artigos relacionados